Doce mitologia

 

Certa vez, os deuses do Olimpo se reuniram.  Foram fazer um  piquenique no topo do monte, por ser um lugar agradável com uma excelente vista para os mortais.  Fazia um pouco de frio, mas como se sabe, os deuses não sentem frio nem calor, estão naquele permanente estado de graça e conforto espiritual.  Bebericando o vinho providenciado por Baco e conversando sobre os atos dos mortais, a quem protegiam ou lançavam reprimendas por atos falhos, estavam numa tarde animadíssima.  Suponho que fosse à tarde pela luz alaranjada que refletia nos cabelos de Afrodite.  Hera, a deusa dos ventos, controlava uma brisa deliciosa e Netuno fazia as ondas do mar quebrarem na areia, resultando na música que animava a reunião.  Apolo, deus da beleza, cuidou para que todos estivessem mais belos que todos os outros deuses que, em qualquer época, tivessem povoado a imaginação dos humanos e, por fim, Cronos se responsabilizou para que este momento parecesse eterno.

De repente, Zeus, o manda-chuva do Olimpo, olhou para Hera, sua mulher e, de forma machista sentenciou: "Querida esposa, estou afim de comer doce de leite." Hera entrou em pânico, pois, afinal. não era muito boa na culinária.  O que ela sabia mesmo era soprar.  Mas, como esposa obediente, dirigiu-se à cozinha improvisada para tentar satisfazer a vontade do marido.  Afrodite, notando a tensão de Hera e sabendo que o humor de Zeus mudava ao sabor dos ventos, resolveu ajudar-lhe, colocando várias pitadas de amor no preparo.  Depois de algum tempo, Hera traz o doce de leite pronto e serve o primeiro pedaço (é claro) ao marido.  Em seguida, serve a cada um dos outros deuses presentes no piquenique.  Como grandes puxa-sacos, todos ficaram esperando a reação de Zeus.  Ao degustar o preparo, Zeus expressou uma fisionomia de que não era bem aquilo que ele esperava, apesar de o doce estar delicioso, afinal havia sido feito por uma deusa.

 Zeus, então, olha para o grupo e expressa a sua opinião.  Dirigindo-se a Hera, com uma voz baritonal, ele fala: "Querida, está muito bom, mas eu sei de um lugar onde tem melhor." Como um grande chefe, resolve patrocinar a viagem de todos a Petrolina, sobem ao 9º andar de um edifício, tocam a campainha e são recebidos por Cosme Cavalcanti. Cosme já imaginando a que vinham, tinha os pratos prontos com generosos pedaços de doce de leite.  Comeram e riram bastante.  Ao terminarem, agradeceram e voaram de volta para o Olimpo.  Zeus ainda tentou conseguir a receita, mas Cosme, hospitaleiro e também para guardar o segredo, falou que poderiam voltar a hora que quisessem e se deliciarem novamente.  Os deuses foram embora com o paladar recompensado pelo mais divino doce de leite do Caboclo.

Muito obrigado, amigo, por me conceder o prazer divino de ter experimentado o preparo.

 

Ivanildo Holanda

Publicitário